Obá é uma Orixá cósmica cujo elemento original é a Terra, sendo uma Orixá telúrica por excelência; tendo também em suas energias os elementos vegetal e água. Sua atuação nos seres é o conhecimento; desenvolve o raciocínio e a capacidade de assimilação mental da realidade visível ou somente perceptível que influenciam nossa vida e evolução contínua.

Notemos que o campo do conhecimento é o mesmo de Oxóssi. Enquanto Oxóssi estimula a busca do conhecimento, Obá atrai e paralisa o ser que está se desvirtuando justamente porque assimilou de forma viciada os conhecimentos puros.

Atuando na linha de Fé, paralisa as pessoas que estão ensinando falsas verdades religiosas. Sua atuação é discreta, tão silenciosa quanto a terra e quem está paralisado (esgotamento dos conhecimentos desvirtuados) nem percebe que está passando por uma descarga emocional muito intensa. Mas algum tempo depois, já começa a mudar alguns de seus “conceitos” errôneos ou começa a abandonar a linha de raciocínio desvirtuado ou viciado que o estava direcionando. Começa a se desinteressar pelo assunto que tanto o atraia e torna-se meio apático. Então, quando o ser já foi paralisado e teve seu emocional descarregado dos falsos conceitos aí ela o conduz ao campo de ação de Oxóssi, que começará a atuar no sentido de redirecioná-lo na linha do conhecimento.

No Candomblé

Divindade guerreira, considerada até como uma Oya-Iansã velha, originária do rio de mesmo nome na Nigéria. Ligada à água doce como Oxum, ao contrário desta está presente nas águas revoltas como: enchentes, inundações e cheias dos rios e também no corisco, que lhe foi dado pelo marido Xangô. É o orixá que domina a paixão. Obá rege a desilusão amorosa, a tristeza, o sentimento de perda, a incapacidade do homem de ter o que ama e deseja. Obá é a raiva, a frustração, a solidão, a depressão, o sentimento de abandono. Embora a lenda diga ser Obá uma guerreira vencedora, ela conseguiu seu encantamento no oposto, ou seja, na derrota.

Terceira Espôsa de Xângo. Guerreira, veste vermelho e branco, usa escudo e lança. Na dança briga com Oxum que a induziu a cortar uma das orelhas para usá-la na comida de Xangô e com isso manter seu amor. Os resultados revelaram-se desastrosos e Obá foi repudiada por Xangô. Obá come conquén, cabra e pato. Dança tapando com a mão o lado do rosto de onde cortou a orelha.

Obá era uma mulher vigorosa e cheia de coragem. Faltava-lhe, talvez, um pouco de charme e refinamento. Mas ela não temia ninguém no mundo. Seu maior prazer era lutar. Seu vigor era tal que ela escolheu a luta e o pugilato como profissão. Obá saiu vencedora de todas as disputas que foram organizadas entre ela e diversos orixás. Ela derrotou Obatalá, tirou Oxossi de combate, deixou no chão Orunmilá. Oxumaré não resistiu à sua força.

Ela desafiou Obaluaê e botou Exú prá correr. Chegou a vez de Ogum!

Ogum teve o cuidado de consultar Ifá, antes da luta. Os adivinhos lhe disseram para fazer oferendas, compostas de duzentas espigas de milho e muitos quiabos. Tudo pisado num pilão para se obter uma massa viscosa e escorregadia. Esta substância deveria ser depositada num canto do terreno onde eles lutariam.

Ogum seguiu, fielmente, estas instruções. Na hora da luta, Obá chegou dizendo: “O dia do encontro é chegado”. Ogum confirmou: “Nós lutaremos, então, um contra o outro”. A luta começou.

No início, Obá parecia dominar a situação. Ogum recuou em direção ao lugar onde ele derramara a oferenda. Obá pisou na pasta viscosa e escorregou. Ogum aproveitou para derrubá-la. Rapidamente, libertou-se do seu pano e a possuiu ali mesmo, tornou-se, dessa maneira, seu primeiro marido. Mais tarde, Obá tornou-se a terceira mulher de Xangô, pois ela era forte e corajosa. A primeira mulher de Xangô foi Oiá-Iansã que era bela e fascinante. A segunda foi Oxum, que era coquete e vaidosa.

Uma rivalidade logo se estabeleceu entre Obá e Oxum. Ambas disputavam a preferência do amor de Xangô. Obá procurava, sempre, surpreender o segredo das receitas utilizadas por Oxum quando esta preparava as refeições de Xangô.

Oxum, irritada, decidiu preparar-lhe uma armadilha. Convidou Obá a vir, um dia de manhã, assistir à preparação de um prato que, segundo ela, agradava infinitamente a Xangô. Obá chegou na hora combinada e encontrou Oxum com um lenço amarrado à cabeça, escondendo as orelhas.

Ela preparava uma sopa para Xangô onde dois cogumelos flutuavam na superfície do caldo. Oxum fez crer a Obá que se tratava de suas orelhas, que ela cozinhava, assim, para preparar o prato favorito de Xangô. Este logo chegou, vaidoso e altivo. Engoliu, ruidosamente e com deleite, a sopa de cogumelos e, galante e apressado, retirou-se com Oxum para o quarto.

Na semana seguinte, era a vez de Obá cuidar de Xangô. Ela decidiu pôr em prática a receita maravilhosa. Xangô não sentiu nenhum prazer ao ver que Obá se cortara uma das orelhas. Ele achou repugnante o prato que ela lhe preparara. Neste momento, Oxum chegou e retirou o lenço, mostrando à sua rival que suas orelhas não haviam sido cortadas, nem comidas.

Furiosa, Obá precipitou-se sobre Oxum com impetuosidade. Uma verdadeira luta se seguiu. Xangô, encolerizado, trovejou sua fúria. Apavoradas, Oxum e Obá fugiram e se transformaram em rios.

Até hoje, as águas destes rios são tumultuadas e agitadas, no lugar de sua confluência, em lembrança da briga que opôs Oxum e Obá pelo amor de Xangô.

Características dos filhos de OBÁ

O arquétipo de Obá é a das mulheres valorosas e incompreendidas. Suas tendências um pouco viris fazem-nas frequentemente voltar-se para o feminismo ativo. As suas atitudes militantes e agressivas são consequências de experiências infelizes ou amargas por elas vividas.

Os seus insucessos devem-se, frequentemente, a um ciúme um tanto mórbido. Entretanto, encontram geralmente compensação para as frustrações sofridas em sucessos materiais, onde a sua avidez de ganho e o cuidado de nada perder dos seus bens tornam-se garantias de sucesso.

Saudação: Obá Xirê
Ponto de Força: Águas Revoltas (doces)
Sincretismo: Santa Joana D’Arc
Data Comemorativa: 30 de Maio
Dia da Semana: quarta-feira
Cor de vela: Magenta
Colar de contas: Magenta
Ervas: Manhericão, Peregum Roxo, Língua de vaca
Flores: flores do campo
Oferenda: Feijão Fradinho cozido c/ camarão sêco + dendê + farinha de Mandioca Grossa
Bebida: Vinho Licoroso Tinto